domingo, 13 de setembro de 2015

Duque de Caxias - RJ - Uma cidade sem memória...

  Duque de Caxias, RJ... Uma cidade sem memória! Enquanto em outras cidades, vemos a preocupação em preservar lembranças do passado, como  nas obras do Porto Maravilha do Rio de Janeiro, que buscam guardar as raízes históricas e culturais da cidade do Rio de Janeiro, em Duque de Caxias simplesmente essas recordações são apagadas, sem a mínima compaixão pela preservação da História da cidade!

  Fábrica de Tecidos União
  Situada no Corte 8, bairro do primeiro distrito desse município, a fábrica de tecidos União, possuía uma arquitetura diferenciada na região. Refletia a época da industrialização da cidade de Duque de Caxias e do país.  Enquanto no município do Rio, as fábricas de tecido Bangu e Nova América, foram preservadas e viraram shoppings, a antiga fábrica de tecidos União  (C.U.M.T.), marco histórico para a cidade, foi totalmente demolida, sem a mínima intervenção dos  representantes  caxienses da época, muito menos da secretaria de cultura municipal. Era um prédio lindíssimo, estilo ART DECO. O mesmo estilo arquitetônico do Cristo Redentor...  Houve uma campanha para a preservação da fábrica pela internet, mas nem isso sensibilizou as autoridades da época, que poderiam ter transformado a belíssima fábrica em uma universidade, escola, centro cultural ou museu. Um prédio histórico para a cidade de Duque de Caxias!

  Sede da primeira prefeitura de Duque de Caxias 
 Localizada no centro da cidade, na avenida Presidente Kennedy - o casarão histórico, moradia do comerciante Tupinambá de Castro, onde nas suas dependências, aconteceu a festa no ano de 1943, comemorativa da emancipação da cidade, se transformou em um hotel, onde aconteceu um crime terrível, um infanticídio, muito noticiado pela mídia! O casarão poderia ter sido desapropriado  e sido transformado em um centro cultural ou um museu. No local, demoliram o prédio e construíram uma loja de famosa departamentos.

  Sede do posto policial de Xerém  
Uma antiga sede de um posto policial, localizado na entrada do bairro de Xerém, junto a rodovia Rio-Petrópolis, que tinha uma arquitetura diferenciada, foi demolido após obras na estrada. Parece que esse posto era da época da antiga Fábrica Nacional de Motores - FNM.


Praça do Relógio 
Ponto conhecido das manifestações políticas, artísticas e religiosas da cidade, a antiga e apelidada pelo povo de ''Praça do Relógio'', chamada na verdade de Praça da Emancipação, possuía um belo relógio analógico, parecido com o relógio da Central do Brasil. A praça foi totalmente descaracterizada e o relógio removido. Inclusive, uma árvore antiga foi cortada. Depois de algumas manifestações dos internautas, foi colocado no lugar um relógio digital que em nada lembra o antigo.

Praça do Pacificador
  Antiga praça situada no centro da cidade, feita para homenagear o  patrono da cidade - Luís Alves de Lima e Silva - O Duque de Caxias, foi totalmente descaracterizada e as estátuas em homenagem ao patrono do município, foram removidas de seus antigos lugares. Muitas antigas árvores foram cortadas.

Chácara do São Bento
Antiga chácara situada no bairro São Bento, parecia ser de europeus (suecos ou alemães). Era uma linda chácara com estátuas de leões no portal, laguinhos, árvores e uma casa que lembrava as de conto de fadas. Foi totalmente destruída e se transformou em uma comunidade.

2 comentários:

  1. Por acaso vocês não teriam fotos da entrada da faculdade da Feuduc na época que era tudo arborizado?

    ResponderExcluir