domingo, 28 de dezembro de 2014

Papa Francisco apontou quinze "doenças ou tentações" que "enfraquecem" o serviço pastoral da Igreja.

  Segunda passada, 22, Papa Francisco concluiu que quinze "doenças ou tentações"  "enfraquecem" o serviço pastoral da Igreja. As quinze "doenças" foram apontadas como um "exame de consciência" para membros da Cúria Romana, na confraternização de Natal. Apontou a necessidade de pedir perdão a Deus, a importância da humildade, comparando a humildade de Cristo, que nasceu em um lugar muito simples e sintetizou em quinze os mais significativos problemas da Igreja. Papa Francisco disse que não só afetam à Cúria Romana mas são perigosos para qualquer cristão, diocese, comunidade, congregação, paróquia ou movimento eclesial. E disse que “seria belo pensar na Cúria Romana como um pequeno modelo de Igreja, ou seja, como um corpo que tenta seriamente e cotidianamente ser mais vivo, mais harmonioso e mais unido em si próprio e com Cristo".
  As quinze doenças ou tentações:
1. Sentir-se imortal ou indispensável: “Uma Cúria que não faz autocrítica, que não se atualiza, é um corpo enfermo” e criticou o “complexo dos eleitos, do narcisismo”.
2. Martalismo: "É a doença do excesso de trabalho" e "dos que trabalham sem usufruirem do melhor. A falta de repouso leva ao estresse e à agitação", apontou Francisco.
3. Dura mentalidade: Quando alguém "perde a serenidade interior, a vivacidade e a audácia e nos escondemos atrás de papéis, deixando de ser 'homens de Deus'".
4. Excessiva planificação: Francisco alertou aos que têm a "tentação de querer pilotar o Espírito Santo". É "quando o Apóstolo planifica tudo minuciosamente e pensa que assim as coisas progridem. Torna-se um contabilista”.
5. Má coordenação: O Pontífice criticou a perda da comunhão promovida pela má coordenação que faz com que o "corpo" perca "a sua harmoniosa funcionalidade”.
6. Alzheimer espiritual: Francisco referiu-se, ainda, a esta "doença" que conduz a “uma diminuição progressiva das faculdades espirituais que, num largo ou curto espaço de tempo, provoca muitas desvantagens à pessoa tornando-a incapaz de desenvolver uma atividade autonomamente, vivendo num estado de absoluta dependência dos seus pontos de vista, muitas vezes imaginários”.
7. Rivalidade e vanglória: Outra doença citada pelo Santo Padre diz respeito ao excessivo valor pela "aparência", onde o primeiro objetivo são as "honorificiências", que "leva-nos a ser falsos e a viver um falso misticismo".
8. Esquizofrenia existencial: Os que sofrem com essa "doença" vivem "uma vida dupla, fruto da hipocrisia típica do medíocre" e vivenciam um "progressivo vazio espiritual" ao buscar em "títulos" o sentido de suas vidas. Essa esquizofrenia, segundo o Papa, "atinge muitas vezes aqueles que, abandonando o serviço pastoral, se limitam às coisas burocráticas, perdendo assim o contato com a realidade, com as pessoas concretas". 
9. Terrorrismo das fofocas: "Nunca é demais falar desta doença", indicou o Santo Padre ao destacar o mal das fofocas. "É a doença dos covardes que, não tendo a coragem de falar diretamente, falam pelas costas. Defendamo-nos do terrorismo das fofocas".
10. Divinizar os chefes: O Santo Padre indicou essa "doença" como mal daqueles que sofrem de "carreirismo e oportunismo". "Vivem o serviço pensando unicamente naquilo que devem obter e não ao que devem dar".
11. A indiferença: Francisco sinalizou o mal que a indiferença pode causar à vida comunitária pela perda da “sinceridade e calor das relações humanas”, e de "quando por ciúme sente-se alegria em ver a queda dos outros em vez de o ajudar a levantar”.
12. Cara de enterro: Segundo o Papa, essa "doença" se manifesta na "severidade teatral" e no "pessimismo estéril", e apresenta-se muitas vezes em sintomas de medo e insegurança. “O apóstolo deve esforçar-se por ser uma pessoa cortês, serena, entusiasta e alegre e que transmite alegria...”. “Como faz bem uma boa dose de são humorismo”.
13. Acumular bens materiais: Francisco criticou aqueles que buscam acumular riquezas na tentativa de "preencher um vazio existencial no seu coração", e motivados "não por necessidade, mas só para sentir-se seguro".  
14. Círculos fechados: O Papa alertou também a respeito daqueles que procuram "viver em grupinhos", e mesmo o fazendo com boas intenções correm o risco de "cair em escândalos". 
15. O lucro mundano e o exibicionismo: O desejo pelo poder para benefício próprio foi a penúltima "doença" ilustrada pelo Pontífice: “Quando o apóstolo transforma o seu serviço em poder e o seu poder em mercadoria para obter lucros mundanos ou mais poder".
Fonte: Rádio Vaticano e Agência Ecclesia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário